Comida, Minha Inimiga

Jen Gunter

Minha luta contra o transtorno de compulsão alimentar começou aos 12 anos. O que se seguiu foram anos de vergonha, mentiras, flutuações de peso e, em um momento particularmente de desespero, roupas de grávidas.

Sete anos atrás eu perdi 27 quilos, mas recentemente eu lutei para não recuperá-los. Eu não estou sozinha em minha luta contra o peso. Também não estou sozinha no distúrbio alimentar com o qual travo nos últimos 40 anos.

É o distúrbio alimentar mais comum, de acordo com uma pesquisa de meta-análise dos Anais da Medicina Interna, e ainda é raramente discutido em consultório médico, muito menos publicamente.

Essa pesquisa descobriu que o transtorno da Compulsão Alimentar Periódica, ou C.A.P., afeta 3% dos adultos nos Estados Unidos durante a vida. É definido como um ou mais episódios de alimentação de angústia psicológica por semana durante período de pelo menos três meses. Isto não é um jantar de Ação de Graças em que você e sua família não resistem em experimentar as três tortas. O comer tipo C.A.P. parece algo fora de controle porque é isto que provavelmente acontece.

Para mim é como se eu estivesse descendo uma montanha balançando uma picareta, que não impede minha descida, exceto por me sentir envergonhada, reservada e preocupada em ser julgada por cair. Parece uma maldição, e suponho que o seja de muitas maneiras.

Minha maldição foi lançada em 1978, quando eu tinha 12 anos. Era o “dia dos anos 50” na minha escola secundária. Minha mãe disse que ela tinha uma ´coisa` apropriada. Ela remexeu em seu armário e tirou um vestido de tecido de seda e tule tão deslumbrante que ela não tinha sido capaz de se separar dele.

O vestido era rosa vermelho e beliscava a cintura. Era o tipo de vestido que uma jovem princesa usaria para um coquetel. O material dos sonhos de uma garota de 12 anos de idade. Em um instante eu me vi transformada na garota que todos riam por suas roupas em a Cinderela. Eu passava pelas portas da frente, e as meninas olhavam e os garotos se perguntavam. As pessoas me viam como eu me via.

A fantasia evaporou no mesmo tempo que levou para levar o vestido do chão aos meus quadris. Corei quando mexi na minha cintura porque nenhum número de contorções colocaria o zíper na metade das minhas costas. “Hmmm”, minha mãe disse. “Eu acho que você é muito gorda.” Meu rosto corou. Eu desesperada me atrapalhei um pouco mais com o zíper.

Então ela acrescentou: “Eu usava isso mesmo depois de ter seu irmão. Eu estava tão magra”. Naqueles dias nem todo mundo sabia o quão prejudiciais as palavras sobre peso e tamanho poderiam ser.

Eu deslizei as dobras de tecido dos meus ombros, mas não consegui tirar a vergonha. Ela me entregou um vestido liso de algodão azul. Não foi o material dos sonhos.Entrei naquela sala uma garota muito alta e de largura média, e saí como uma garota gorda.

Fiquei desconfortável com o meu corpo e essa vergonha se espalhou pela comida. Comecei a restringir o que eu comia na frente dos outros enquanto comia incontrolavelmente em particular.

Entrei para o ‘Vigilantes do Peso’ pela primeira vez aos 16 anos. Eu pesava 70 quilos, o que estava na faixa fisiologicamente “normal” para a minha altura. Ninguém me levou no canto e perguntou por que eu estava lá. Eles só pegaram meu dinheiro como babá e me colocaram na balança.

E assim começou uma vida inteira de dieta. Uma busca sem fim para consertar o inconsertável: o que eu via no espelho. Inicialmente eu oscilei entre peso considerado normal e o abaixo do peso, mas quando recuperava o peso ele vinha com alguns quilos extras.

A fome se tornou uma emoção. Estresse, tédio e até felicidade podem estimular o consumo excessivo. A sensação da minha boca recheada de comida e a excessiva distensão do meu estômago ofereceram algum tipo de feedback tátil que ainda me esforço para explicar. Eu estava frequentemente com dor física por causa da quantidade de comida, e ainda assim era reconfortante. Sentia me culpada enquanto estava comendo demais, mas simplesmente não conseguia parar, de modo que o fracasso apenas alimentou o inicio.

Eu tinha ouvido falar de bulimia, mas nunca tive vontade de induzir o vômito. Eu percebi que eu era simplesmente um glutão.

Na faculdade de medicina, vi e talvez me projetei, pena do rosto de todos quando discutimos anorexia e nojo quando o assunto era bulimia. Na minha opinião, comer em excesso era um estigma, por isso nunca deixei de perguntar aos meus professores se eles tinham ouvido falar de pessoas que às vezes comiam incontrolavelmente, mentiam sobre isso e que depois se sentiam envergonhadas.

Imagine se sentir tão mal sobre sua relação com a comida que você não pode lidar com o seu transtorno alimentar? Minha mentira não se restringia ao que eu comia. Eu mentia recusando sair porque ganhara peso e não tinha nada para vestir. Senti vergonha quando precisei comprar na seção de tamanho extra. Como pode isso? Meus pés são do tamanho 11 e não preciso ir para a seção de calçados tamanho extra (maior).

Dez anos atrás eu tinha uma festa para participar. São Francisco está cheia de lindas butiques de roupas, mas nenhuma delas tinha um vestido que pudesse me servir. E então eu vi em uma janela um lindo vestido roxo. Supondo que seria muito pequeno, eu estava prestes a seguir em frente, e então percebi que estava em uma loja de grávidas.

Então eu usei meus anos de treinamento obstétrico para mentir que estava grávida. Eu sabia que tinha que fazer algo sobre a minha maldição, e não apenas para mim. Eu não queria que meus filhos tivessem o mesmo relacionamento desordenado com a comida.

Eu descobri no Registro Nacional de Controle do Peso (National Weight Control Registry), um estudo de pessoas que perderam pelo menos 30 quilos e o mantiveram por mais de um ano. Cerca de oito anos atrás, eu me comprometi com as técnicas que aprendi que eram mais bem-sucedidas para perda de peso e manutenção: comer 1.400 calorias por dia, rastrear cada pedaço de comida e pesar-se regularmente. O rastreamento e a pesagem pareciam muito importantes para alguém como eu, que era propenso a mentir para mim mesmo sobre comida e meu tamanho.

Eu perdi 27 quilos em oito meses. No dia em que me tornei elegível para ser participante do N.W.C.R, eu me candidatei. O primeiro questionário para o qual fui enviado tinha dúvidas sobre comer em excesso e consumo de comida que eram tão familiares que eram assustadoras. Minhas compulsões foram descritas com tanta precisão que era como que os pesquisadores estivessem dentro da minha cabeça. Percebi então que, se eles tinham desenvolvidos perguntas tão precisas, não poderia ser apenas eu.

Eu sei que não sou a única que acorda de manhã pensando que  vai ter o dia “certo”. Então algo acontece e de repente é quase meia-noite e eu estou desesperadamente desmontando a cozinha à procura de um carboidrato para derreter um pouco de queijo.

Agora eu sei o nome da minha maldição e ao longo do tempo fui capaz de mover esse demônio para o banco do passageiro, e quase todos os dias para o banco de trás. Tem até as vezes eu o enfiei no porta-malas. Mas sou realista, então não me concentro em chutar meu demônio para o meio-fio.

Ajudou a saber que eu tenho um transtorno de compulsão alimentar, não uma falha pessoal.

Não tenho uma resposta fácil, mas posso levantar a mão e reconhecer a verdade não só para mim mesma, mas também para as muitas pessoas que se sentaram sozinhas tarde da noite na cozinha, desejando desesperadamente que pudessem ir para a cama. .

Traduzido: https://www.nytimes.com/2018/11/21/style/binge-eating-disorder.html

Dr. Lourenilson Souza

Dr. Lourenilson Souza

Formado em Medicina pela Universidade Federal de Alagoas;
Especialista em Cirurgia Geral e do Aparelho Digestivo com Área de Atuação em Cirurgia Bariátrica;
Mestre e Doutor em Medicina pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Conheça a Gastrobesidade